Como vivem os cristãos na Síria

Portas Abertas

 Ao contrário do que muitos podem pensar, os cristãos sírios não lamentam a situação de guerra e nem pensam em abandonar o país por conta dos ataques violentos do Estado Islâmico. Na verdade, eles pensam em lutar para reconstruir tudo o que foi perdido. Muitos templos foram destruídos, mas a igreja de Cristo permanece em pé por lá. A guerra, que começou em 2011, ainda não terminou, e mesmo em meio a tantas dificuldades, há quem pregue o evangelho aos sírios.

“Não acho justo partir e deixar esse lugar numa situação tão precária. Eu tenho a convicção de que a cidade será ainda melhor do que era se os cristãos permanecerem aqui para lutar. Não dá para imaginar nossa terra sem uma igreja”, disse Sarah* uma jovem de apenas 21 anos que enfrenta a perseguição religiosa na cidade de Aleppo.

A nação está na 6ª posição da atual Lista Mundial da Perseguição, onde há muitos ataques dirigidos a todos aqueles que se decidem por Cristo. Restaurantes cristãos já foram alvo de ataques coordenados, várias pessoas foram mortas e muitos ficaram feridos. Há muitas explosões que atingem bairros inteiros, danificam comércios e assustam os moradores. Os ataques acontecem de repente e, muitos, são causados por homens e mulheres suicidas.

Não há previsão de uma vida estável, segura ou pacífica para os cristãos sírios, principalmente para aqueles que vivem na linha de frente ou em áreas mantidas pelos rebeldes. Mas em meio a tanta violência e perseguição há vislumbres de esperança. Embora muitos tenham deixado o país para proteger suas famílias, alguns vivem deslocados, mas comprometidos em servir a Deus enquanto a guerra acontece. É incrível, mas foi relatado um crescimento no número de pessoas que se converteram a Cristo, mesmo passando por momentos tão difíceis.

Não podemos ficar de braços cruzados enquanto milhares de pessoas têm de enfrentar as consequências da violência e da perseguição.

Fonte: Portas Abertas

Deixe uma resposta