Ser encontrado por Cristo é encontrar a missão de Cristo – At 9.1-31

Carlos del Pino
Série Caminho missionário da igreja

O relato da conversão de Paulo é muito bem conhecido em todo o mundo cristão e tem sido largamente utilizado para descrever-se a importância da experiência com Cristo como fundamento para a vida cristã. Neste momento, portanto, gostaria de focalizar um elemento significativo na experiência cristã, tal como o vemos no encontro de Cristo com Paulo: Paulo foi encontrado e alcançado por Cristo e, conseqüentemente, passou a segui-lo em sua missão! Sendo assim, podemos encontrar alguns elementos ao longo do relato da conversão de Paulo que nos mostram que o encontro com Cristo é, também, o encontro com a missão de Cristo.

01. Inicialmente vemos Paulo, ainda chamado no texto de Saulo, “respirando ameaças de morte contra os discípulos do Senhor” (v.1) e buscando ocasião para levar adiante sua empreitada de “levar os discípulos presos para Jerusalém” desta vez em Damasco (v.2). É possível que para a maioria dos cristãos esta figura de Paulo esteja plenamente associada ao pecado e que ele seja visto, antes da sua conversão, como um homem cruel, assassino e completamente alheio às coisas de Deus. É importante observar o que o próprio Paulo diz sobre essa época de sua vida: era irrepreensível e zeloso quanto à prática da fé judaica, por isso perseguia a igreja (Fp 3.4-8), considerava-se também blasfemo, perseguidor e insolente (1Tm 1. 12-14).

Nestes mesmos textos, entretanto, Paulo descreve como a graça de Cristo o alcançou e o livrou definitivamente da incredulidade levando-o à misericórdia, à fé e ao amor que estão em Jesus Cristo. Paulo está consciente de que toda a sua projeção dentro do judaísmo, bem como o seu conhecimento da lei, foram considerados por ele como perda e como esterco por causa de Cristo para não basear sua vida na justiça da lei e do judaísmo, mas na justiça que procede de Deus e se baseia na fé em Cristo.

Diante disso, o próprio Paulo reconhece que agora, de perseguidor passa a sofrer por Cristo em favor da igreja, tornando-se ministro para anunciar a Palavra de Deus de acordo com a responsabilidade que lhe fora atribuída pelo próprio Deus (Cl 1.24-27). Todo o seu zelo no judaísmo foi canalizado para a sua vida com Cristo e para o ministério de proclamação do evangelho àqueles que ainda não o conheciam.

02. Possivelmente, o ponto mais significativo na busca de Paulo pelo Messias, quando ainda no judaísmo, aconteceu em sua viagem a Damasco. O próprio Messias o encontra no meio do caminho e se apresenta como aquele que estava sendo perseguido (v.3-5). Paulo considerava sua ação como um ato de justiça e de zelo do nome Deus e do próprio Messias ao perseguir um grupo de hereges que estava dizendo que aquele galileu crucificado era o próprio Deus. O Jesus ressuscitado se apresenta diante dele como o Messias perseguido pelas mãos de quem mais o aguardava.

Na verdade, não foi Paulo que encontrou o Cristo como resultado de sua intensa busca ou de sua justiça e zelo no judaísmo. Foi Cristo quem veio ao seu encontro e o achou em meio às suas próprias justiças humanas. Ele fora, finalmente, encontrado por Cristo! Ser encontrado por Cristo revolucionou por completo as justiças humanas de Paulo, levando-o a deixar o que considerava grande lucro para tornar-se uma perda completa diante da justiça de Cristo. Ser encontrado por Cristo derrubou a estruturou supostamente sólida da vida e da fé de Paulo. Cair do cavalo, perder a visão e ser levado pela mão para dentro da cidade foram os primeiros sofrimentos que quebraram o seu orgulho e a sua justiça própria. Ser encontrado por Cristo é reconhecer a nossa falência diante de Deus e lamentar profundamente nosso estado de pecado, consciente de assim entramos no Reino e recebemos o perdão consolador (Mt 5.3-4).

03. Ao mesmo tempo, ser encontrado com Cristo não o deixou prostrado no chão contemplando seu zelo e justiça humana despedaçadas. O mesmo Cristo que se apresenta como o que era perseguido por Paulo ordena: “levante-se, entre na cidade; alguém lhe dirá o que você deve fazer” (v.6). Paulo recebe a esperança necessária para se levantar e aguardar pela ação de Cristo. Ele agora não pode mais confiar em si mesmo, deve confiar na promessa e na palavra do Messias tão aguardado. Ele obedeceu e esperou por três dias, guardando jejum como manifestação de sua humildade e submissão completa ao Messias que se revelou e o encontrou.

Essa esperança dada pela palavra de Cristo foi o ponto de partida para a reorientação de sua vida, sua fé e sua missão. Nesse sentido, ser encontrado por Cristo nos enche da verdadeira esperança que somente pode ser dada por Deus. Mais tarde, escrevendo aos Romanos, Paulo fala sobre essa esperança agora projetada para a finalização futura da obra redentora de Deus no mundo: “pois nessa esperança fomos salvos. Mas esperança que se vê não é esperança. Quem espera por aquilo que está vendo? Mas se esperamos o que ainda não vemos, aguardamo-lo pacientemente” (Rm 8.24-25). Sua compreensão acerca da esperança também o levou a escrever que “se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, somos, de todos os homens, os mais dignos de compaixão” (1Co 15.19). Ser encontrado por Cristo é solidificar nossa vida, por completo, na genuína esperança em Deus.

04. Após ser encontrado por Cristo e esperando nele, Paulo precisou aprender a ser assistido por um discípulo de Cristo, alguém que era alvo de sua fúria zelosa e que, possivelmente, poderia ser preso por ele mesmo. Ananias, embora temeroso a princípio (v.13-14), cumpriu a missão recebida do Cristo. Chegou até onde estava Paulo e o chamou de “irmão”, identificando-se como alguém que, da mesma forma que Paulo, havia sido encontrado por Cristo. Paulo estava, nas palavras de Ananias, sendo recebido como parte do grupo daqueles que até então ele perseguia e, “passou vários dias com os discípulos em Damasco” (v.19). Obviamente, essa assimilação por parte da igreja demorou um pouco mais devido à história de vida de Paulo (v.26-30).

Ser encontrado por Cristo levou Paulo a aceitar-se humildemente como parte de uma nova comunidade. Aceitou ser cuidado por essa comunidade, identificando-se gradualmente com os discípulos de Cristo. Isso representa, também, sua disposição de seguir a Cristo e, conseqüentemente, de ser perseguido como seus novos irmãos. Portanto, ser encontrado por Cristo o levou para dentro da igreja, assumindo todos os riscos decorrentes disso, que ele conhecia muito bem e o fez engajar-se na missão que Cristo dá à igreja.

05. O encontro de Cristo com Paulo, finalmente, o levou a encontrar a própria missão de Cristo. A palavra de Cristo a Ananias confirma esse fato: “este homem é meu instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e seus reis, e perante o povo de Israel” (v.15). Paulo fora encontrado por Cristo para servi-lo em sua missão! Isso fica evidente na seqüência do texto, que nos mostra que ele “logo começou a pregar nas sinagogas” (v.20), confundindo os judeus de Damasco “demonstrando que Jesus é o Cristo” (v.22) e “pregando corajosamente em nome de Jesus” (v.27-28). O encontro com Cristo o engajou definitivamente na missão.

Nesse sentido, aprendemos com o relato da conversão de Paulo que não há como ser encontrado por Cristo sem encontrar e nos envolver com a missão de Cristo. As duas coisas andam permanentemente juntas e compõem a base da vida, da fé e do ministério cristão. Por isso, não existe conversão sem missão. Para que encontremos a missão de Cristo, à semelhança de Paulo, como vimos, é preciso que a nossa estrutura de justiça própria caia por terra diante de Deus; é preciso esperar pacientemente pela ação de Deus hoje e no futuro; é fundamental aprender a viver e a ser assistido pela comunidade de Cristo (Igreja), identificando-se humildemente com seus sofrimentos e perseguições.

Como igreja de Cristo neste momento da história humana, precisamos entender que nosso compromisso com o Senhor deve nos conduzir a um completo engajamento com sua missão redentora neste mundo. É necessário refletir demorada e transformadoramente na realidade apresentada pelo relato da conversão de Paulo: ser encontrados por Cristo é encontrar a missão de Cristo! Isso, portanto, deve dar um novo sentido de direção e de compromisso para a vida de fé da igreja e de cada um de nós.

Deixe uma resposta