Hudson Taylor [1832–1905]

Marcone Bezerra Carvalho série
série O mundo não era digno deles

Missionário inglês que, com 21 anos, desembarcou na China. Na época, todos os missionários se alojavam nas colônias inglesas, nas cidades portuárias. Taylor sentiu que os missionários precisavam alcançar o interior e, assim, em 1865, fundou a Missão para o Interior da China (CIM, hoje OMF International).
Taylor viveu na China por 51 anos. A sociedade que ele iniciou foi responsável pelo envio de mais de 800 missionários, o que resultou na abertura de 125 escolas e na conversão de centenas de pessoas, assim como no estabelecimento de mais de 300 estações de trabalho com mais de 500 colaboradores locais em todas as dezoito províncias. Taylor era conhecido por sua sensibilidade à cultura chinesa e zelo pelo evangelismo. Ele adotou a prática de usar roupas nativas mesmo quando isso era raro entre os missionários da época.
Sob a sua liderança, a CIM era singularmente não-denominacional e aceitava membros de todos os grupos protestantes, incluindo indivíduos da classe de trabalho, mulheres solteiras e recrutas multinacionais também. Por causa da campanha da CIM contra o comércio do ópio, Taylor foi citado como um dos europeus mais significantes a visitar a China no Século XIX. O historiador Ruth Tucker registra: “Nenhum outro missionário nos dezenove séculos desde o apóstolo Paulo teve uma visão mais ampla e usou um plano mais sistematizado para evangelizar uma grande área geográfica como Hudson Taylor”.
Ele teve a oportunidade de pregar em diversos idiomas e dialetos chineses, incluindo o Mandarin, Teochew, Chaozhou, e os dialetos Wu do Xangai e Ningbo. Em 1905, Taylor retornou a China pela décima primeira vez. Lá ele visitou Yangzhou e Zhenjiang e outras cidades, antes de morrer de repente em casa. Foi enterrado ao lado de sua primeira esposa, Maria de Zhenjiang, no pequeno Cemitério Inglês, perto do rio Yangtze.

Deixe uma resposta