José Manoel da Conceição [1822–1873]

Marcone Carvalho Bezerra
série O mundo não era digno deles





Paulistano criado pelo tio-avô, foi o “São Francisco de Assis protestante” segundo Émile Léonard. Desde os 18 anos travou contato com a Bíblia. Foi ordenado padre aos 22 anos e exerceu o sacerdócio de 1844 a 1864, sempre na Província de São Paulo: Monte Mor, Piracicaba, Santa Bárbara, Taubaté, Sorocaba, Limeira, Ubatuba e Brotas.
Começou a pregar mensagens evangélicas e a incentivar o povo a ler a Bíblia, sendo apelidado de “o padre protestante”. Em 1863, Conceição escreveu ao bispo D. Sebastião sobre as suas lutas espirituais, sendo, então, nomeado para um cargo administrativo. Nesse ano recebeu a visita do Rev. Alexander Blackford, que ouvira falar do “padre protestante”. Devolveu a visita a Blackford em São Paulo e, depois de várias conversas com ele, renunciou ao sacerdócio. Em outubro de 1864, fez sua pública profissão de fé no Rio de Janeiro. Sendo culto e eloqüente, esse fato causou consternação no clero católico. Sua conversão mudou o quadro e o avanço da obra missionária evangélica no Brasil. Passou a colaborar com os missionários em várias frentes: jornal Imprensa Evangélica, tradução de livros e pregações.
Foi ordenado pastor em 17/12/1865. Teve um ministério itinerante, visitando as cidades onde havia servido como padre e pregando a fé em Cristo somente. Entre 1867-68, ficou 1 ano nos EUA para tratar de sua saúde, temporada na qual pregou para os madeirenses que haviam sido expulsos com Kalley. A partir de 1869, passou a viver de maneira solitária e itinerante. Não se sentia interessado pelos grandes centros, mas pelas vilas e cidades do interior. Viajava a pé, hospedava-se em qualquer lugar e sofria perseguições do clero católico em algumas regiões. Rev. JMC era de uma simplicidade incrível, não obstante fosse muito culto: lia em inglês, francês e alemão, e tinha noções de medicina. A herança que recebeu da família foi distribuída aos necessitados.
Do seu ministério nasceram muitas Igrejas Presbiterianas, posto que depois de sua evangelização os convertidos eram assistidos por outros pastores. Morreu dormindo, em uma Enfermaria Militar no Rio, depois de ter sido encontrado semi-morto numa estrada de terra. Seu corpo está sepultado ao lado do pioneiro Simonton, no Cemitério dos Protestantes. Na lápide do seu túmulo se lê: “Não me envergonho do Evangelho de Cristo”. Em sua honra, na capital paulistana, existe o Seminário Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição.

Creative Commons License
José Manoel da Conceição [1822–1873] by moravios is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 4.0 International

Deixe uma resposta