Mary Slessor [1848–1915]

Marcone Bezerra Carvalho
série O mundo não era digno deles





Escocesa, de família pobre. Quando menina, costumeiramente saía de casa e passava a noite na rua para fugir da violência do pai alcoólatra. A mãe trabalhou muito para sustentar a família e, mesmo assim, criou os filhos no Evangelho e com visão missionária.
Em 1874, aos 26 anos, Maria Slessor foi pedida em casamento. Mas nesse mesmo ano oImpério Britânico foi abalado com a notícia da morte de David Livingstone. Fizeram então apelo a voluntários para o continente africano, e Maria, decidindo entre o trabalho missionário e o casamento, optou pelo primeiro e ofereceu-se.
Nessa época, era aluna da Escola Normal de Edimburgo e a coragem em seguir para um lugar conhecido como “sepultura dos brancos” deixou forte impressão em todos. Em 1876, enviada pela Igreja Presbiteriana, Maria embarcava em um navio que a levaria a um lugar em nada semelhante à sua Escócia: Calabar, na Nigéria. Tornava-se então realidade o sonho da sua mãe.
Maria vivia com simplicidade e evangelizava com ousadia e coragem. O povo a chamava de “mãe de todos os povos”. Vivendo no centro do comércio de escravos, presenciava cenas chocantes de morte, tortura e angústia humana. Atendia os oprimidos, cuidava de bebês abandonados, pregava, ensinava, consolava. Chegou a ter 12 bebês em sua casa. Realizou trabalho tão relevante que conseguiu a admiração das autoridades. Tinha grande conhecimento da cultura e das leis do país. Foi criticada, como outros missionários, porque considerava os africanos como seres humanos e irmãos, quando muitos os consideravam seres inferiores.
Viveu muitos anos entre as tribos africanas. Através dela, milhares de negros tomaram conhecimento de Cristo e muitos o aceitaram como Salvador. Acredita-se que ela foi mais bem sucedida do que Livingstone, apesar de ser menos conhecida que ele. Através dela muitos negros foram conduzidos ao caminho da salvação. Em 1915, ainda em plena África, foi recolhida por Deus. Atualmente, na Escócia, o retrato de Slessor aparece na cédula de 10 libras esterlinas emitida pelo Clydesdale Bank.

Deixe uma resposta