Missões na Reforma Protestante do Século XVI

Rev. Ewerton Barcelos Tokashiki

Por que este estudo histórico?

Alguns desconhecendo a grandiosa extensão do que fizeram os reformadores, forjam afirmações infundadas, e talvez preconceituosamente maldosas. Tão grosseira alegação é que os calvinistas por crerem na doutrina da predestinação não fazem missões![1]

É de se perguntar, porquê o historiador Terri Williams que em seus gráficos menciona “Missões Protestantes” somente a partir de 1701?[2]

Surpreende-nos também, tão exímio historiador, Stephen Neill não mencionar missões protestantes nos capítulo 4 e 5 (1500-1600 d.C.), limitando-se a falar de missões católicas desse período! E somente o faz no capítulo 7. Faz uma estranha avaliação dizendo que “era muito difícil que uma Igreja de tal forma confinada aos limites de uma dada área geográfica pudesse vir a tornar-se missionária, em qualquer das asserções da palavra.”[3] Todavia, mais avante este mesmo autor é pego em contradição quando cita três casos de “tímidos começos de obra missionária.”[4]

1. O rei Gustavo Vasa da Suécia, em 1559, encorajou a evangelização entre os lapões.
2. Hans Ungnad von Sonneck evangelizou com literatura em língua eslava.
3. Venceslau Budowitz von Budokwa, entre 1577 a 1514, residiu em Constantinopla (Istambul) como missionário.
Ainda assim, Neill omite a obra missionária calvinista no século XVI. Quanto a isto, veremos mais adiante.

Dificuldades Para a Realização de Obras Missionárias no século XVI

1. Poucos obreiros disponíveis;
2. A Igreja era Estatal, dependia do sustento e autorização do Estado;
3. Período de definições doutrinárias;
4. Disputas teológicas entre os reformadores calvinistas e luteranos;
5. Europa em clima de guerra contra os “turcos”;
6. Não tinham acesso aos recursos marítimos.

Calvino e a Obra Missionária

João Calvino nunca escreveu uma obra, especificamente, dissertando sobre “missões”. Mas em seus comentários bíblicos deixou-nos sua opinião em fidelidade ao mandato do Senhor Jesus.[5]

Em Mt 28:19
“O Senhor ordena aos ministros do Evangelho, que preguem em lugares distantes, com o propósito de espelhar a salvação em cada parte do mundo”.

Em 1 Tm 2:4
“Nenhuma nação da terra e nenhum segmento da sociedade está excluído da salvação, porque Deus deseja oferecer o evangelho a todos e sem nenhuma exceção”.

A Produção de Literatura Teológica de Calvino

Uma das poderosas armas na divulgação dos princípios da Reforma foi a literatura. Somente em Genebra existiam 38 oficinas tipográficas! O renomado historiador Vicente Temudo Lessa observa que duas mil pessoas se ocupavam na impressão de Bíblias e literatura de controvérsias, obras estas que eram introduzidas nos países vizinhos com risco de vida dos que se entregavam àquele trabalho de abnegação. Genebra fez luzir bem alto a sua lâmpada e tornou-se a grande escola das nações.[6]

As obras de Calvino (Institutas, comentários bíblicos, sermões escritos, obras teológicas diversas) foram traduzidas e publicadas em diversas línguas, enquanto ele ainda vivia (morreu em 1564). A língua usada para redigir qualquer obra naquela época era o latim, isso facilitava a tradução. Suas diversas obras traduzidas para o francês, alemão, italiano, tcheco, holandês, espanhol, inglês e até mesmo para o grego moderno![7]

Sabemos que até hoje os missionários utilizam a literatura, como método eficaz para divulgar o evangelho.

Preparo e Envio de Pastores (Academia de Genebra)

A “Academia de Genebra” foi fundada em 05/06/1559. A necessidade de pastores e obreiros era gritante! O próprio Calvino numa de suas cartas desabafa essa triste realidade, dizendo que “em todas as partes da França, os irmãos estão implorando a nossa assistência”.[8]

James Mackinnon observa que “o estabelecimento da Academia foi em parte realizada por causa do desejo de suprir e treinar missionários evangélicos”.[9]

Sobre os alunos sabemos que devidamente treinados, os estudantes retornariam a seus países de origem e divulgariam o evangelho como missionários. Nesse sentido, procurou fazer de Genebra um centro missionário para divulgar a Reforma e seus ensinos por toda a Europa e outros países do mundo.[10]

Missões Calvinistas/Genebrinas no Brasil

– O Brasil como colônia portuguesa em regime do “Padroado”. O historiador presbiteriano Dr. Alderi S. Santos define o Padroado como sendo “uma concessão feita pela Igreja Católica a determinados governantes civis, oferecendo-lhes um certo controle sobre a igreja em seus respectivos territórios como um reconhecimento por serviços prestados à causa católica e um incentivo a futuras ações em benefício da igreja.”[11]

– Em 1493, Papa Alexandre VI redigiu um documento declarando a supremacia espanhola sobre as terras descobertas.

– Em 1494, o Tratado de Tordesilhas determinou o que seria da Espanha e o que seria de Portugal nas novas descobertas.

– No Brasil, o Padroado “significava que a coroa portuguesa iria fornecer os navios para o transporte dos religiosos, financiar o empreendimento missionário, construir as igrejas e outros edifícios eclesiásticos e pagar o salário dos sacerdotes. Em contrapartida, teria o direito de nomear os bispos, recolher os dízimos dos fiéis, aprovar os documentos eclesiásticos e interferir em quase todas as áreas da vida da igreja”.[12]

– Em 1549, chegam os primeiros 6 jesuítas ao Brasil (Companhia de Jesus foi organizada 9 anos antes, em 1540).

– Em 1553, chega o mais famoso dos jesuítas, José de Anchieta.

– A Reforma Protestante não penetrou em Portugal/Espanha (criação Jesuítas e da Inquisição na Contra-Reforma).

– Em 1555, sob a liderança de Nicolas Durand de Villegaignon, grupo de cerca 600 franceses fundaram o Forte Coligny na Baía da Guanabara-RJ, dando origem à “França Antártica”:

1. Busca de enriquecimento na nova terra
2. Refúgio para franceses perseguidos

– Ficando, assim conhecida como “a Invasão Francesa”, em nossa história [católica] brasileira. A. G. Mendonça, nota que “vale ainda considerar o fato de que a resistência portuguesa aos invasores era sempre feita não somente em nome de sua soberania política e de seus interesses comerciais, mas também na defesa de sua fé contra as heresias”.[13]

– Villegaignon solicitou a Calvino o envio de pastores.

– Em 07/03/1557, chegaram 2 pastores (Pierre Richier e Guillaume Chartier) grupo de huguenotes[14], e refugiados vindos de Genebra, numa 2a expedição.

– Em 10/03/1557 celebram o 1º culto protestante em solo brasileiro.

– Em 21/03/1557 celebração da 1a Santa Ceia em rito Genebrino.

– “Ex-frade” Jean Cointac levanta questões sobre:[15]

1. sacrifício da missa
2. doutrina e usos dos sacramentos
3. invocação e mediação dos santos
4. oração pelos mortos
5. o purgatório

– Villegaignon posiciona-se católico e persegue os huguenotes.

– Os huguenotes buscaram refúgio entre os índios tupinambás.

– Tentaram fugir por navio, mas este afundou.

– Cinco voltaram, e foram aprisionados por Villegaignon.

– “Confissão de Fé da Guanabara”[16]

Jean du Bordel…… enforcado
Mathieu Verneuil…. enforcado
Pierre Bourdon…… enforcado
André Lafon……… poupado (único por ser o alfaiate)
Jacques Le Balleur.. fugiu para cidade de São Vicente, sendo preso e levado para Salvador, e em 1567 transferido para o Rio de Janeiro, e enforcado pelo próprio José de Anchieta.

– Jean de Léry escreveu um livro intitulado “História de uma Viagem Feita à Terra do Brasil”, publicado em 1578, Paris. Foi estudar na Academia de Genebra, e tornou-se um pastor calvinista.

– Em 1580, Portugal é dominado pela Espanha.

Missões Calvinistas/Holandesas no Brasil

Não nos delongaremos este tópico por ser posterior à Reforma do Século XVI, mas apenas faremos dele menção.

1. Holandeses na Bahia (1624-1625)
2. Holandeses em Olinda-PE (1630-1654)
3. Veja “Igreja e Estado no Brasil Holandês”, Frans L. Schalkijk, pela Editora Cultura Cristã.


NOTAS:
[1] Ruth A. Tucker, “…até aos confins da Terra” (São Paulo, Ed. Vida Nova, 1996), p. 70
[2] Terri Williams, Cronologia da História Eclesiástica (São Paulo, Ed. Vida Nova, 2000), p. 101
[3] Stephen Neill, História das Missões (São Paulo, Ed. Vida Nova, 1989), p. 226
[4] Ibidem, p. 228
[5] John Calvin’s Commentary in: Calvin’s Work, CD-Rom Master Library Christian, vide* in loci.
[6] Vicente Temudo Lessa, Calvino 1509-1564 Sua Vida e Sua Obra (São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, s/d.) pp. 244-245
[7] Antônio Carlos Barros, A Consciência Missionária de Calvino in: Fides Reformata, vol. III, no. 1, 1998, p. 44
[8] Ibidem, p. 43
[9] James Mackinnon, Calvin and the Reformation (Londres, Penguin Books, 1936), p. 195
[10] W. Stanford Reid, Calvin’s Geneva: A Missionary Center (The Reformed Theological Review, 42:3), p. 66
[11] Mark A. Noll, Momentos Decisivos na História do Cristianismo.Veja o Apêndice: Alderi S. Santos, Eventos Marcantes da História do Cristianismo no Brasil (São Paulo, Ed. Cultura Cristã, 2000), p.334
[12] Ibidem, p. 334
[13] Antônio Gouvêa Mendonça, O Celeste Provir – A Inserção do Protestantismo no Brasil (São Paulo, Ed. IMS, 1995), p. 23
[14] Huguenotes era o nome dado aos calvinistas franceses.
[15] Ibidem
[16] Cópia desta “Confissão” em Paulo Anglada, Sola Scriptura, p. 191-197

Fonte: Monergismo

Deixe uma resposta