Os descendentes de Gengis Khan

Aefe Noronha

Uma ger tradicional

Ele voltava para sua ger naquela estepe asiática depois de deixar uma oferenda de leite em um obo, na colina. Um obo é um montinho de pedras tradicional usado como santuário pelos khalka mongol. Ger é a tenda tradicional, construída com uma estrutura interna de madeira e coberta por feltro branco.

Esse nosso personagem faz parte dos nômades que ainda restam (e não são poucos) entre o seu povo. Ele desata sua tenda para migrar de 4 a 5 vezes por ano, montando-a novamente em campos para pastorear seus cavalos, seu gado e suas ovelhas. No inverno, ele se alimenta de gordura e carne de carneiro, e no verão, de queijo, iogurte e airag, que é o leite de égua fermentado.

Ele e sua família são budistas tibetanos, assim como a maioria do seu povo.

O khalka mongol é o povo majoritário da Mongólia. Mas também há mais de 65 mil deles na China, mais de 30 mil na Coréia do Sul e 15 mil nos Estados Unidos. Ao todo somam mais de 2,5 milhões de pessoas espalhadas por pelo menos 11 países.

Eles se consideram os herdeiros diretos do imperador Gengis Khan, e por isso, consideram-se responsáveis por preservar a cultura. Mesmo assim, mais da metade já vive em centro urbanos. E nesses centros urbanos padecem com problemas sociais sérios como alcoolismo, violência e pobreza.

Há menos de 2% de cristãos entre todos eles, mas a Bíblia já está disponível completa para este povo desde 2003, e também em áudio, e também já está disponível o filme de Jesus. Bastam, segundo estimativas, mais ou menos 50 unidades missionárias para se iniciar um movimento pioneiro de plantação de igrejas entre eles.

    • Ore por mais missionários entre os khalka mongol espalhados nos 11 países;
    • Ore pela distribuição e aceitação das Escrituras entre o povo.


Envolva-se com uma família missionária que está envolvida com esse grupo:
email: lucas.oliveira@cru.org.br
Facebook: https://www.facebook.com/groups/mongoliaarmasecretadedeus/; Família Lima

Deixe uma resposta