Preparo profissional para servir em campos de acesso restrito

D. César

Os líderes mais experientes em missões concordam que um bom preparo profissional abre muitas portas e capacita o profissional missionário a exercer um trabalho produtivo no campo, transcultural ou não. Além disso, a história de missões é cheia de exemplos que ilustram isso. Por exemplo, os moravianos e a escola de Basiléia ilustram bem as vantagens de quem harmoniza o serviço prático ao próximo com o testemunho sobre Jesus. 1

Mas o que significa um bom preparo profissional?

1. Escolha da profissão

Tudo começa na escolha da profissão. Não é fácil, principalmente diante das inúmeras opções do mercado atual de profissões, aliado à falta de autoconhecimento, experiência e maturidade, próprios da adolescência.

Alguns estudantes secundaristas, com o sincero desejo de servir a Deus em missão, nos perguntam qual profissão é mais requerida no campo. Eles querem tanto ir, que às vezes escolhem a profissão pela demanda do campo, e não tanto pelas habilidades próprias.

A pergunta deveria ser outra: que profissão mais se adéqua às minhas capacidades, habilidades e possibilidades? O que eu gostaria de fazer para contribuir com a sociedade? 2

Cremos que Deus dá habilidades e capacidades para cada pessoa de forma única. E cada pessoa vive em um contexto único de filiação, condição econômica, localização geográfica – uma séria de fatores que vão determinar, pelo menos em parte, em qual faculdade ou universidade esta pessoa poderá estudar, e quais cursos lhe serão acessíveis.

Como Deus criou o trabalho humano, e ele mesmo trabalhou, deixando-nos o exemplo, temos certeza de que quase todas as profissões e tipos de trabalho humano são honrados por Ele e úteis no mandato cultural – o cuidado com a criação. 3

2. Preparo profissional

Seria “chover no molhado” gastar tempo nesta parte. Há muita coisa bem melhor por aí, indicando como o estudante deve se tornar um bom profissional.

Segundo Ledo, independentemente da área em que vá atuar, espera-se do profissional as seguintes características: 4
• Conhecimento de informática e domínio de um segundo idioma;
• Constante preocupação em aprender cada vez mais, procurando a especialização no que faz;
• Competência para identificar e resolver problemas;
• Habilidade de comunicação;
• Visão critica e ampla das atividades que desempenha;
• Lógica de raciocínio;
• Habilidade para trabalhar em grupo.

Tudo isso é muito importante mesmo. Mas o estudante cristão, que deseja servir futuramente em missão, não pode seguir a correnteza e zelar “apenas” pelo lado profissional. Carreira virou um deus para muita gente hoje. Se o bom desempenho estudantil e profissional, assim como a carreira, tomar o lugar prioritário na vida de um vocacionado, ele poderá esquecer seu compromisso missionário de longo prazo e passar a viver para a profissão. Isso é um risco muito grande.

3. Caminhar com um mentor

Para não sucumbir ao risco de endeusar a profissão, e tornar-se escravo dela, seria ideal para o estudante cristão ter um mentor. Este mentor poderia ser uma pessoa madura, que já passou da fase de estudante e dos primeiros anos de exercício da profissão, que tem ampla visão de reino, boa compreensão da missão integral e das necessidades do campo. Sempre que possível, deve ser alguém da mesma área do “mentoriado”.
Tudo indica que Paulo foi uma espécie de mentor para Priscila e Áquila. Eles, por sua vez, ajudaram Apolo a “entrar nos trilhos”. Paulo e o casal Priscila e Áquila tinham o mesmo ofício e o mesmo amor pela expansão do reino. Um estudo mais detalhado da vida do casal mostra que, como Paulo, eles também acabaram viajando pelos campos e apoiando as diferentes igrejas por onde passavam. 5 Paulo imprimiu seu caráter neles – caráter que, por sua vez, Cristo havia imprimido em Paulo. Isso nos lembra a passagem paulina sobre o discipulado e a importância de “ser” e “ter” um mentor na caminhada cristã: “E o que de minha parte ouviste […], isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros” (2 Tm 2.2).

4. Preparo paralelo

Temos visto que o melhor profissional em missão é aquele que tem a mente aberta, vida de comunhão e serviço na igreja local, sabe se relacionar com humildade e amor, tem coração de servo.

Todas essas qualidades envolvem um preparo anterior, que deve começar muito antes, na família, na igreja local e na comunidade. Até mesmo as empresas seculares têm procurado profissionais cujo currículo mostra não apenas a dedicação à profissão, mas engajamento político, social e comunitário, interesse em hobbies e em outras áreas, não relacionadas ao trabalho da empresa.

Em relação à igreja local, poucas igrejas possuem um programa voltado para vocacionados para missões – menos ainda, para os vocacionados que desejam servir com suas profissões e habilidades no campo missionário. É interessante que as igrejas prontamente apoiam, acompanham, testam, sustentam e enviam os vocacionados para o ministério pastoral. Mas isso raramente acontece com os “demais” vocacionados. É importante iniciar um programa desse tipo. A própria igreja pode indicar o mentor para o seu vocacionado e dar as diretrizes básicas para testar sua vocação e prover o melhor preparo.

Outro preparo fundamental é o preparo em missões, ou preparo missiológico. É um verdadeiro desafio oferecer um modelo de preparo missionário para o profissional, de modo que ele consiga conciliar o tempo com as diversas áreas de sua vida, como preparo acadêmico, trabalho profissional, igreja, família etc. Mas é possível e importante. 6

Um líder internacional de uma missão que envia profissionais resumiu assim as características do tipo de pessoa que a agência procura: 7

1. Alguém com o coração de servo. Pronto para servir no país debaixo da autoridade e direção dos cristãos nacionais.
2. Alguém com uma visão de mundo abrangente – maior do que a visão circunscrita na igreja local. Uma visão interdenominacional.
3. Alguém pronto para a vida em equipe. Haverá pessoas na equipe que não são “do seu jeito”. Uma atitude de prontidão para trabalhar junto, em união, na equipe.
4. Alguém pronto para crescer nas disciplinas espirituais. Haverá tentações maiores quando se está fora da “zona de conforto”. Alguém que possui um mentor, a pessoa com quem pode conversar e para quem vai “prestar conta”.

Conclusão

A profissão jamais deve ser vista como um disfarce, pretexto ou passaporte para entrar em países de acesso restrito. Por isso o cristão vocacionado deve ser orientado a procurar o melhor preparo possível, tanto acadêmico quanto profissional, e nas diversas áreas da vida. Este preparo integral vai abrir portas, facilitar seu ingresso e serviço sacrificial no lugar onde Deus o chamar para servi-lo.

Notas

1. Veja mais detalhes sobre isso em: GREENWOOD, Philip John. “Fazedores-de-tendas, fazedores de discípulos”. Londrina: Descoberta, 2005. p. 13-15.
2. O pequeno livro “Minha escolha profissional – o que Deus tem a ver com isso?”, de Jeverton (Magrão) Ledo e Maria Fernanda Ledo (São Paulo: Vida, 2005), escrito numa linguagem adequada ao adolescente, é uma boa e didática ferramenta na escolha da profissão.
3. Afirmamos “quase todas” porque há profissões e serviços que servem à maldade instalada neste mundo, como o mundo do crime, a indústria do tabaco, a indústria de drogas ilícitas, vícios, pornografia etc.
4. LEDO, Op. cit., p. 21.
5. Veja mais sobre Priscila e Áquila em: GREENWOOD. Op. cit. p. 74-76.
6. Philip Greenwood dedica um capítulo inteiro de seu livro a este desafiante assunto. Ele apresenta quinze modelos contextualizados para a preparação do fazedor de tendas (ou profissional em missão) no Brasil. GREENWOOD, Op. cit. p. 123-152.
7. Documento “Perfil do Candidato da Interserve” (www.cem.org.br, link “Interserve”).

Fonte: http://www.ultimato.com.br/conteudo/preparo-profissional-para-servir-em-campos-de-acesso-restrito/

Deixe uma resposta